sábado, 1 de janeiro de 2011

EXU A PEDRA PRIMORDIAL DA TEOLOGIA IORUBÁ.

EXU A PEDRA PRIMORDIAL DA TEOLOGIA IORUBÁ

ESU OTA ORISA
Esu a pedra fundamental do Orisa


ESU OFI OKUTA DIPO IO
Esu transforma o sal em pedra


1. “O principio era a pedra”


Em todos os momentos da vida dos afro-descendentes que cultuam orixás, a terra é o elemento mais importante a ser reverenciado e, em conseqüência disso, a pedra, o fruto da condensação da terra, a desagregação particulada e formadora do microcosmo iorubá.

Essa singularidade pode ser vista na gênese iorubá, amplamente documen¬tada, por diversos autores.

Qlodumarê após um tempo imemorial de inércia resolve criar o mundo, e sua primeira criação é a pedra primordial chamada por Ele de Esu Yangí e, posteriormente, de Esu Obasin, cultuada até os dias de hoje em Ilê Ifé.

Pode-se dizer que sem pedra, Ota, não há Orixá.

KOSI OKUTA
KOSI ORISA
“Sem pedra
Sem Orisa”

KOSI ESU
KOSI ORISA
“Sem Esu
Sem Qrisa”


* Gilberto Antonio Ferreira, olosun do ilê Iya Mi Qsun Muiywa, de São Paulo.

16
Todo Orixá tem de, obrigatoriamente, ser assentado em uma pedra ou em algum material que dela tenha vindo; exemplo: o ferro em que se assenta Ogum é a transmutação da pedra, transformada em ferro por intermédio do fogo. Dessa forma pode-se dizer que Ogum é assentado na pedra.

Outro aspecto interessante é que o corpo humano é composto de vários elementos, e entre eles um dos mais importantes é o barro modelado por Ajala, onde, posteriormente, é inserido por Obatalá o Bara, o Exu do movimento.

Outro aspecto de grande importância relacionado à terra é o Ikomojade (imposição de nome ou batismo). Nele o pai pega a criança e coloca o pé dela sobre a terra fofa, especialmente preparada para o momento, recitando o seguinte verso de Ifa:

....

Portanto, é muito claro que Exu foi criado por Olodumarê, da matéria primordial e divina da qual, posteriormente, ele fez todos os orixás. A mes¬ma matéria que daria forma a toda existência divina, assim como toda a humanidade que, um dia, Ikú, “a morte”, devolverá a esta lama primordial.

Assim, Yangi é o primeiro ser criado da existência e passa a ser o símbolo primal dos elementos criados.

Yangi é conhecido como Esu Agba, o Ancestral primordial, e seus assenta¬mentos mais antigos e tradicionais eram simples pedras de laterita vermelha, colocadas no chão, onde eram feitas suas oferendas e sacrifícios.

Em alguns lugares, como a Orita Meta ou a encruzilhada de três cami¬nhos, a laterita vermelha está cercada por 7,14 ou 21 pedaços de ferro enfer¬rujados

Na cidade de Ilê Ifé, pode-se ver o assentamento de Esu Yangí como o descrito anteriormente.

Para se chegar à casa de Obatalá, entra-se em uma rua que vai exata¬mente até a entrada, e, cerca de 10 metros antes da entrada, a rua princi¬pal abre-se em duas outras ruas laterais, formando um (Y). No meio do vértice do (Y), está a casa de Obatalá, e na ponta do vértice o assenta¬mento de Yangí, um montículo de cimento armado com uma laterita fincada no alto.

Yangí é por excelência o símbolo da existência diferenciada e, em conse¬qüência disso, o elemento dinâmico que leva à propulsão, à mobilização, a transformação e ao crescimento.

Ele é o princípio dinâmico de tudo que existe e do que virá a existir.



&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

2. Os Múltiplos Nomes e Funções de Exu



Um mito relata como, em função de seu poder, Exu se descontrola, e começa a devorar toda a preexistência, sendo então obrigado por Qrumilá, após uma longa perseguição, a vomitar tudo de volta.

Tendo sido cortado em milhares de pedaços, transforma-se no + 1, ou em 1 multiplicado pelo infinito. Neste caso, ele é Esu Okoto, o caracol-agulha, cuja estrutura óssea espiralada parte de um ponto único, abrindo-se para o infinito, e nos dá a idéia do crescimento, da evolução e da multiplicação, tendo-se tornado o símbolo da restituição e da recomposição, tornando-se Oba Baba Esu, o rei e o pai de todos os Exus, gerados por seus pedaços.

Durante muitos anos, conviveu-se com uma pretensa superioridade cultu¬ral, racial, religiosa na África e na região dos iorubás que provocou guerras étnicas, fato que repercute ainda nos dias de hoje.

A suposta ação evangelizadora desarticulou sofisticadas estruturas religiosas, imprimindo aspectos negativos e demoníacos à imagem de Exu que, ainda hoje, habitam o universo religioso e prático dos mais renomados Baba/Iá.

A perda dos valores primais africanos foi causada, sobretudo, pela escravidão, e posteriormente pela miscigenação com as seitas espíritas cristãs, permitindo assim que os mais sérios seguidores do orixá ressaltem os aspectos negativos dos demônios, referindo-se a Exu como:

Exu Lúcifer ; Exu Tranca Rua das Almas, Exu Sete Poeiras do Inferno, Exu Rei as Sete Encruzilhadas, ou mudam seu sexo, Exu Pomba-Gira ou Exu Maria Padilha.

Os nomes e atributos desse importante orixá do panteão iorubá não per¬mitem interpretações errôneas como as perpetuadas pela inércia e ignorância de pseudo-experts em cultura iorubá.

Nomes Atributos

ESU YANGI / O primeiro da criação, a laterita vermelha

ESU AGBA / Aquele que é o ancestral

ESU IGBA KETA / O dono da cabaça, o igba odu

ESU OKOTO / O dono da evolução, o caracol


ESU OBASIN / O pai de todos os exus

ESU ODARA / O exu da felicidade

ESU OJISE EBO / O exu que leva as mensagens ao orisa

ESU ELERU / O exu que leva o carrego dos iniciados

ESU ENUGBARJJO / O exu que traz a prosperidade

ESU ELEGBARA / O exu que detém o poder da transmutação

ESU BARA / O exu dono do movimento do corpo humano

ESU OLONAN / O dono de todos os caminhos

ESU OLOBÉ / O dono da faca ritual

ESU ELEBÓ / O exu que recebe as oferendas

ESU ODUSO / O exu que vigia os oráculos

ESU ELEPO / O exu do azeite-de-dendê

ESU INA / O exu do fogo ( saudado no ipade)


Poder-se-ia fazer uma lista imensa dos nomes de Exus ancestrais cultuados no Brasil e na África, mas esse exercício é desnecessário no momento.

O mais importante é destacar as funções desses Exus ancestrais nos rituais: Esu Yangi:

É o princípio de tudo, a própria memória de Qlodumarê, seu criador.

Esu Agba ou Esu Agbo:

É o nome que mostra sua ancianidade; ele é o mais velho e, por conseqüência, o pai que é retratado no mito em que Orumila o persegue através dos nove Orun.

Esu Igba Keta

É o terceiro aspecto mais importante de Exu que está ligado ao número três, a terceira cabaça, na qual ele é representado pela figura de barro junto aos elementos da criação.

Esu Ikorita Meta:

É ligado ao encontro dos caminhos ou à encruzilhada; o encontro de três ruas (Y).

Esu Okoto:

É o representado pelo caracol-agulha, mostra a evolução de tudo que existe sobre a terra, e está ligado ao Orísa Aje Saluga, o antigo orixá da riqueza dos iorubás.

Esu Obasin:

É por este nome que é conhecido e cultuado em Ilê Ifé.

Esu Odara:

É o que, se satisfeito através do sacrifício, traz a felicidade ao sacrificante.

Esu Ojise Ebo:

É ele que observa todos os sacrifícios rituais e recomenda sua aceitação, levando as súplicas a Qlodumarê.

Esu Eleru:

É o que leva os carregos dos iniciados (Erupín)

Esu Enugbarijo:

É o que devolve a todos o sacrifício em forma de benefícios.

Esu Elegbara:

É o todo-poderoso que transforma o mal em bem, cujo poder reside na transformação das coisas.

Esu Bara:

É um dos mais importantes aspectos de Exu, pois ele é o Exu do movi¬mento do corpo humano, infundido no corpo pré-humano, ainda no Orun por Qbatalá, sendo “assentado” no momento da iniciação, junto com o Orí e o orixá individual.

Esu Olonan:

É o senhor de todos os caminhos do mundo.

Esu Olobé:

É dono do obé (faca), tem de ser reverenciado ao começar todos os sacri¬ficios, onde a faca é necessária.

Esu Elebó:

É o carregador de todos os Ébo.

Esu Oduso ou Olodu:

É ele que tem seu rosto retratado no Opon Ifa, e vigia o babalaõ para que este não minta; é o que vigia os oráculos (Opélé-Ikín-Erindílogun)

Esu Elepo:

É ele que recebe o sacrifício do azeite-de-dendê.

Esu Ina:

Um dos aspectos mais importantes desse Exu primordial é presidir o ipade, sendo o dono do jogo. É a Esu Inã que os babalorixás/ialorixás se dirigem no começo do Ipade, uma das mais importantes cerimônias do ritual afro-descendente religioso:

E Inã mojuba
Inã Inã Mojuba Aiye
Inã mojuba
Inã Inã Mojuba Aiye. . etc.


Outra forma de se dirigir a Exu, e que causa certa confusão, é quando seus acólitos a ele se dirigem por seus epítetos que, por serem mais comuns, transformaram-se erroneamente em nomes. Exemplos:

Esu Tiriri
Esu Akesan
Esu Lode
Esu Barabo
Esu Alaketu
Esu Ijelu
Esu Bara lajiki
Esu Marabo... etc.

Da pedra à pedra


A ação repressiva dos cristãos europeus e, posteriormente, latino-ameri¬canos sobre os africanos, escravos e seus descendentes, forjou o sincretismo entre os orixás e os santos católicos. Consequentemente, Exu é o diabo cris¬tão na sua forma mais primitiva, teologicamente.

Assim sendo, a idéia de um Exu reelaborado pelos cristãos, e essencialmente maléfico e tenebroso é inconcebível na teologia e na cosmovisão iorubá, que não tem um “inferno” declarado, e os homens não são punidos post mortem.

Muito embora existam lendas e mitos populares, nos quais Exu é retrata¬do como manhoso trapaceiro ou encrenqueiro, se Exu for reverenciado com o ebó designado, nada disso será verdadeiro e a sua suposta imagem de ma¬lignidade, decorrente dessas lendas, cairá por terra. Na verdade, Exu é o Executor Divino, punindo aqueles que descumprem o sacrifício prescrito, recompensando aqueles que o fazem.

Ele nada faz por conta própria. Está sempre servindo de elemento de ligação entre Olórum e Orumilá ou, então, servindo aos Orixas.

Segundo a teologia iorubá, nenhum ser divino pode punir um Ara aiye “ser da terra”, diretamente, sem a consulta a Olodumarê.

Diversos itan Ifa nos dão conta de que Exu também é encarregado por Olórum para vigiar os orixás no Aíye. Isso só pode ser feito porque ele é imparcial no seu papel de Executor Divino.

É por isso que todos os devotos de todos os orixás sacrificam para Exu, por recomendação de Ifá, nos tempos de dificuldades, buscando dessa forma sua intermediação com Olodumarê.

E, para que os babalaôs não se excedam ou mintam na prescrição dos ebós, o próprio Exu, sendo Odusó, sempre estará presente no jogo, cuidando para que o Iwa “caráter” do consulente e do babalaõ não sejam maculados.

Exu reporta-se diretamente a Olórum e mantém um inter-relacionamen¬to com os orixás e com os Egungun “ancestrais’.

Ele não é vingativo e nada executa por sua própria conta, apenas cumpre fielmente as ordens de Olórum, conforme os ditames do Iwa é contidos no ori individual, destino escolhido pelos oris, no Iporí Qrun, “Lugar em que o ser humano é preparado”.

É necessário, o mais depressa possível, esquecer, “desumbandizar” e “deskardecizar” as religiões de matrizes africanas, pois não se pode viver com o paradigma de bem e mal, inexistente nessas religiões.

Em síntese, transmutar, teologicamente, a pedra primordial em pedra angular sobre a qual se sustenta a cosmografia tradicional iorubá.

Fonte:Gilberto de Esu

In : Faraimará – O Caçador traz Alegria pg. 15-17

2 comentários:

  1. Muito informativo este texto parabéns Bàbàláwo ifalola Sangowale pela escolha deste tema e ao Babá Gilberto de esu

    ResponderExcluir
  2. Muito informativo este texto parabéns Bàbàláwo ifalola Sangowale pela escolha deste tema e ao Babá Gilberto de esu

    ResponderExcluir